terça-feira, 15 de novembro de 2011

Festival de Curtas em 60 segundos

O Festival, elaborado pela equipe do PET-Educação Física do Campus Baixada Santista da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) vem no sentido de incentivar a reflexão acerca da vida no litoral, através de filmagens de 60 segundos que "expressem a sensação de morar em uma cidade como Santos, [...] filmem em 60 segundos, o que considerem de mais relevante a partir do seu ponto de vista, para mostrar a alguma pessoa que nunca visitou a cidade, podendo gerar uma maior demanda por conhecer o olhar do autor do que mesmo sobre seu filme, talvez uma pesquisa mais aprofundada do contexto onde foi pautado o enredo e até se tornar um objeto de estudo para futuros pesquisadores e curiosos que se interessem pela cidade de Santos e pelo seu modo de viver."

O Festival ocorrerá dos dia 21/11 ao dia 15/12, e a programação completa está disponível no site da proex e no blog do PET-Educa, mais especificamente, neste link.

2ª Semana (festival): 21/11/2011 a 25/11/2011
21/11/2011 Coquetel de abertura do evento no anfiteatro da Ponta da Praia às 19:00horas
21/11/2011 Espaço para mostra de curta-metragens no anfiteatro da Ponta da Praia às 20:00horas
22/11/2011 Espaço para mostra de curta-metragens internacionais que ganharam prêmios, no anfiteatro da Ponta da Praia às 19:00horas
22/11/2011 Começo do recebimento dos curtas para análise
23, 24 e 25/11/2011 oficina de montagem e edição de curtas no Laboratório de Sensibilidades, às 19:00horas

domingo, 5 de junho de 2011

Formação com EJA Leonardo Nunes

Após reunião com gestão do colégio Leonardo Nunes, na Z. Noroeste, em Santos, parte da Frente Juventude e Educação realizou o primeiro encontro com os alunos da turma do 7ºb do Ensino de Jovens e Adultos (EJA) noturno.

As turmas são separadas em salas de jovens e salas de adultos, sendo o 7ºb uma sala de maioria em torno dos 17 anos.
Conforme rolou o encontro, conhecemos um pouco da vida dos meninos.
Alguns já pensam em entrar na faculdade, outros acreditam que não conseguiriam se tentassem; Alguns trabalham, outros ainda não podem ser contratados, e outros não querem; Um dos meninos, inclusive, tem uma "lojinha" funcionando alí na ZN, na escola (termo que eles usaram pra chamar a... vocês sabem, né? rs).

Nós - Flavia, Ana Carol e Danilo - havíamos pensado em usar com eles dois poemas do B. Brecht (Elogio do Aprendizado e Precisamos de Você), para gerar uma primeira reflexão, mas percebemos que o negócio deles é funk e improvisação. Aparentemente um deles é MC... Mudamos a 'estratégia' e estamos dicutindo o uso de duas músicas com as quais achamos que têm mais familiaridade ou terão mais interesse - uma delas, à propósito, de um MC amigo do Danilo, assassinado por conta da violência juvenil, entre outros.

Os próximos encontros (a outra metade da frente, Mayara, Edileuza, Giovanna e Daiane farão o primeiro encontro, na escola Cidade de Santos) serão no dia 07 de junho.

Jovens Guardiões

O programa Guardião Cidadão, criado no ano de 2005 pela Secretaria de Segurança Pública Municipal de Santos, oferece atualmente 180 vagas aos jovens, entre 18 e 20 anos, de segmentos vulneráveis economicamente a oportunidade de ingressar no mercado de trabalho. Os jovens do programa são bolsistas (recebem um salário mínimo e meio, e seguro contra acidentes) e prestam apoio ao trabalho da Guarda Municipal de Santos; possuem a função de auxiliar na orientação dos horários adequados para a prática esportiva na orla, atender e encaminhar as crianças perdidas em espaços públicos, prestar informações aos munícipes e visitantes, e também atuar no SIM (Sistema Informatizado de Monitoramento), contribuindo com o patrulhamento. Trabalham em vários pontos da cidade, seis horas por dia, durante um ano, período que pode ser renovado por mais 12 meses.
  
A aproximação entre a universidade e o programa teve início em 06/2010, quando a Secretaria de Segurança Pública apresentou ao curso de Serviço Social - UNIFESP/BS a demanda por atividades formativas sobre direitos humanos, como parte constitutiva no processo de formação desses jovens do programa. Foram realizadas duas formações iniciais e reuniões de avaliação, com indicação de um trabalho sistemático com todos os jovens do programa.

Atualmente o projeto de extensão PET em educação popular da UNIFESP/BS é responsável pela formação dos jovens do programa sobre ética, estatuto da criança e do adolescente e estatuto do idoso – com um calendário e programação definida para o ano de 2011.

sábado, 30 de abril de 2011

XI PETSudeste

No feriado da páscoa (21 a 24 de abril de 2011) ocorreu, em Alfenas-MG, o XI Encontro PET Sudeste.
Nosso PET foi, sendo representado por: Mayara e Flavia.
O evento foi marcado pelo debate acerca das novas portarias no MEC, a reformulação do PET (a fim de reafirmar a importância e indissociabilidade do tripé E-P-E), as relações (agora mais 'fortes') entre todos os tipos de PET - PET por curso (a exemplo da UNIFESP/BS, o PET Educa), PET Temático (PET Educação Popular: Criando e Recriando a Realidade Social) e PET pelo Trabalho (PET Saúde do Trabalhador) e a garantia da 'qualidade' PET (seja mudando/reformulando ou não).


Pôde-se notar as diferentes propostas de PET, e como o nosso PET se aproxima do modelo proposto na reformulação do mesmo, como também do PET PCS (Programa Conexões de Saberes). Deve-se ressaltar aqui que o PET PCS parte de um foco ou tema "guarda-chuvão" e a partir deste identifica as problemáticas com as quais pretende trabalhar, e o nosso parte de um tema específico (Educação Popular) e então realiza trabalhos em diferentes locais e públicos.
São muitos os PETs e educadores (profissionais da educação) que seguem uma linha mais tradicionalista, sendo contrários às mudanças que vêm ocorrendo. Essas mudanças aferem a tradição, autonomia e enfraquecem grupos que já existem há anos, dizem.


Para contrapô-los, apenas o resultado da avaliação (concurso) das apresentações dos PET:
3ºs - ET EERP (Escola de Enfermagem Ribeirão Preto) USP - http://www.eerp.usp.br/pet/index.htm
e PET Educação Popular: Criando e Recriando a Realidade Social UNIFESP
- PET PCS UFRRJ (não conseguimos pegar qual deles venceu – a universidade tem dois PET PCS)
- PET Filosofia UFSJ – Projeto PERIPATHOS: Material Didático para o Ensino Médio - http://pt-br.facebook.com/pages/PET-Filosofia-UFSJ/137944972942735



Foram PETs relativamente novos, e com propostas de extensão efetiva com a comunidade, entendendo a relação dialética universidade-comunidade.
Ficamos muito satisfeitas, pois dadas todas as dificuldades pelas quais passamos, nem achávamos que participaríamos do concurso. Foi uma boa surpresa.


Nós (Flavia e Mayara), além da longa relatoria, só temos mais uma coisa a comentar; Foi uma ótima experiência, além de conhecer gente nova, de diferentes lugares e descobrir tanta ligação, tanta congruência de ideais, pudemos aprender muito mais sobre nosso próprio PET, nossas expectativas, nossos "defeitos" a serem modificados/superados, e a confiança de que estamos correndo pela via certa, atrás de uma sociedade melhor.


Só podemos esperar agora o ENAPET! (:

terça-feira, 29 de março de 2011

Extensão e Intercâmbio

   Nos dias 26, 27 e 28 de setembro de 2010, os integrantes deste projeto de extensão participaram do 1° Congresso Paulista de Extensão Universitária realizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
   Nosso propósito nesta ocasião, foi o de conhecer outros projetos, expor a perspectiva e o trabalho que vem sendo realizado dentro da extensão na qual estamos inseridos, possibilitando uma troca de conhecimento que contribua com processo de criação e recriação da realidade social. Além de conhecer através dos debates o posicionamento que cada uma, das sete universidades paulistas, expressaram na figura de seus representantes. Nos apropriando deste conhecimento como mecanismo potencializador da criticidade de todos os participantes.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Educação Popular: perspectivas emancipadoras dos sujeitos privados de liberdade*


Raiane Patrícia Severino Assumpção, unidade III, Unifesp, raianeps@uol.com.br 
Lílian Rúbia da Costa Rocha, unidade III, Unifesp, lilianrubia@gmail.com
Marilia Marques Nunes, unidade III, Unifesp, lila_marques5@hotmail.com
Marilyn Satiko Konishi, unidade III, Unifesp, okitas1984@hotmail.com
Elisa Vidal, unidade III, Unifesp, lola_101420@hotmail.com
et alli: Thalita Vianna Miranda, unidade III, Unifesp, thalitavmiranda@yahoo.com

  O Projeto de Extensão “Educação Popular - criando e recriando a realidade social” é uma iniciativa dos alunos, técnicos e professores do curso de Serviço Social do campus Baixada Santista da Universidade Federal de São Paulo e é apoiado no projeto politico-pedagógico desta universidade, que articula atividades de ensino, pesquisa e extensão à ampla formação educacional, cultural e científica de seus alunos.
   Este projeto tem como perspectiva aproximar o aluno da realidade local e regional visando à construção de novos conhecimentos e geração de processos de transformação da realidade dos sujeitos envolvidos. Além disso, também propõe a construção de um processo formativo a partir do referencial teórico-metodológico de educação popular freiriana, entendendo a educação popular como uma ação educativa comprometida com as classes populares, na construção do conhecimento e da transformação social.
   O projeto é composto por três frentes de ação. Uma delas propõe a realização de atividades pedagógicas em unidades prisionais femininas, com o objetivo de potencializar o sujeito a partir de ações reflexivas, acerca de seus direitos.
   Para aproximação do universo prisional definiu-se como a primeira atividade a análise de mil redações do concurso literário “Escrevendo a Liberdade”, ocorrido em 2007 nas unidades prisionais brasileiras, tendo os internos como participantes. Para essa análise, empregaremos, sobretudo, a metodologia do discurso do sujeito coletivo, na intenção de dar legibilidade e clareza ao imaginário em que se sustentam as representações sociais dos detentos.
   No segundo momento serão realizadas atividades de sensibilização nas unidades prisionais femininas, no intuito de humanizar as relações no cárcere. Para isso serão usadas diversas linguagens como música, teatro, fotografia, etc. Através desse primeiro contato de aproximação e compreensão da realidade, elaboraremos oficinas com temáticas diversas a partir das necessidades das internas.

*Texto publicado no Caderno de Resumos do COPEX - I Congresso Paulista de Extensão Universitária - 2010